Redes Sociais

Colunas

Botafogo diz não aos sem teto

Publicado

em

Antes mesmo de a bola rolar, o Fla-Flu do returno do Brasileirão segue rendendo polêmica. No fim da tarde desta terça-feira, um novo capítulo surgiu quando o Botafogo enviou um documento para a Federação de Futebol do Estado do Rio (Ferj) alegando que o estádio Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador, não poderia receber o clássico no dia 13. Ainda não foi divulgado o motivo. O Fluminense, que é o mandante, foi informado sobre a decisão e vai se posicionar ainda esta terça. O estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, é o provável palco do clássico.

Um dia antes, foi anunciado oficialmente que o palco do jogo seria o estádio, que está na alçada do Alvinegro. Manaus também chegou a ser acordada pelos dois clubes, mas a vontade do Fluminense de jogar no Rio prevaleceu. A data então foi alterada do dia 12 para o dia 13, e havia ficado acordado que o Flamengo teria apenas 10% da carga de ingressos para sua torcida.

Não está descartada a volta da partida para o dia 12, a data original. O Fluminense trabalha com essa possibilidade. A carga de ingressos continuaria assim: 90% para o Fluminense e 10% para o Flamengo. Cada clube receberia 50% da renda.

Reviravoltas

Na noite de segunda-feira, o Fluminense divulgou que o clássico seria realizado no Rio de Janeiro, no dia 13, às 21h. O Estádio Luso-Brasileiro, da Portuguesa, na Ilha, receberia o duelo. Havia um entendimento para que o jogo fosse disputado em Manaus, um dia antes, às 17h, porém o presidente do Tricolor, Peter Siemsen, fez valer a força do mandante e definiu de outra forma. O clube das Laranjeiras anunciou oficialmente a mudança:

“Após conversas com a CBF e com a direção do Botafogo, o Fluminense decidiu realizar o jogo contra o Flamengo no dia 13/10, às 21h, no estádio Luso Brasileiro, na Ilha do Governador, Rio de Janeiro. Como o Flu não abriu mão de estar ao lado de sua torcida, o estádio receberá a configuração de 90/10 em suas arquibancadas. Lembrando que dia 12 o Botafogo jogará no estádio e por isso a partida será realizada no dia seguinte”.

O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, revelou-se decepcionado com a decisão tricolor. Ele garantiu que havia um acordo de cavalheiros entre os clubes em relação a dividir a renda igualmente e não restringir a torcida visitante a um espaço reduzido, como ocorreria na Arena Botafogo. Disse que desta forma foi organizada a partida do primeiro turno, em Natal, com mando rubro-negro, onde o Fluminense venceu por 2 a 1, com gols de Richarlison e Willian Arão (contra).

– Havia um acordo de cavalheiros, nada escrito. Falava-se em divisão de renda 50% a 50% e com livre acesso às torcidas. Eles tiveram metade da nossa cota, a torcida do Fluminense teve livre acesso ao estádio, e esperávamos reciprocidade. Mas eles têm direito, o mandante tem direito. Eles podiam fazer. Se deviam fazer, aí eu deixo para que vocês analisem – afirmou Bandeira.

O presidente do Fluminense, Peter Siemsen, não queria que o jogo fosse realizado numa praça fora do Rio em busca de equilíbrio nas arquibancadas. O Rubro-Negro, aliás, tinha como cenário ideal a realização do clássico no dia 13, na Arena da Amazônia. Queriam a data a fim de ter Alex Muralha e Guerrero, atualmente representando as seleções brasileira e peruana respectivamente, e o local pela divisão equânime de torcidas. Terão seus selecionáveis de volta.

Fonte: globoesporte.com.br/botafogo


1 Comment

Copyright © 2019 Rádio Botafogo. Todos os Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: