Redes Sociais

Notícias

Destaque do Botafogo em 2020, Bruno Nazário foca em treinos à distância para voltar em alta

Publicado

em

Em coletiva de imprensa virtual, meia lembra boa fase que vivia antes da paralisação do futebol e recebe pergunta surpresa do colega Pedro Raul: “Quantas assistências vai me dar?”

Em coletiva de imprensa virtual na noite desta quarta-feira, o meia Bruno Nazário lembrou a boa fase que vivia com a camisa do Botafogo antes da paralisação do futebol por conta da pandemia do novo coronavírus. Ele falou sobre como tem tentado equilibrar a parte física para o retorno das atividades.

– Não é fácil parar de repente, a gente vem de uma crescente. Eu estava bem fisicamente, infelizmente, aconteceu isso, mas temos que colocar nossa saúde em primeiro lugar. Tenho feito os treinos com o grupo online, faço treinos extras e cuido da minha alimentação para voltar ao meu condicionamento o mais rápido. Há pessoas dentro do clube cuidando da questão do retorno e vamos voltar quando for seguro para todos.

Artilheiro do Botafogo na temporada, Bruno Nazário tem 4 gols em 10 jogos.

A transmissão teve uma participação especial. Além dos jornalistas, o centroavante Pedro Raul também enviou uma pergunta ao colega: ele quis saber quantas assistências receberia de Bruno na temporada.

“Até você aqui, rapaz. Esse moleque joga muito. Eu não vou prometer, mas pode colocar na conta umas seis, sete… E quero assistência também (risos). Esse cara é um grande amigo, concentro com ele, saudades da resenha”.

Outras declarações de Bruno Nazário

Posicionamento tático

– Sempre atuei nas duas posições, tanto no Athletico quanto no Guarani, que joguei mais de ponta. Na Polônia, eu fazia muito essa troca também (centro e lados do campo). O Honda veio para somar e o Paulo Autuori sabe como nos posicionar.

Tempo de inatividade

– Quando eu tive a lesão em 2018, eu fiquei cinco meses em recuperação, sem tocar na bola, é muito difícil. Tem sido difícil para todos, estamos preocupados com o trabalho, nossas famílias e nossa saúde. Tentando manter a cabeça no lugar.

– Fisicamente, eu tenho me sentido bem, treino em dois períodos, me cuido ao máximo. O psicológico é o mais difícil, a preocupação com a família. Eu, por exemplo, tenho dois filhos pequenos.

Adaptação

– Fui muito bem recebido por todos, inclusive nosso torcedor. Vou seguir dando meu melhor e espero continuar fazendo um bom trabalho. Fui bem acolhido pela torcida e isso me faz ter mais confiança para seguir com o trabalho.

“Estou morrendo de saudades dos torcedores. Em breve, farei aquele gol para comemorarmos juntos”.

Responsabilidade em vestir a camisa de grandes ídolos

– Desde o momento em que tive o contato com o clube e decidi vir para o Botafogo, sabia da responsabilidade e da grandeza do Glorioso. Estou muito feliz aqui hoje, quero ser cada vez melhor, sei que temos grandes ídolos que serão eternos.

Exemplo que jogadores podem dar nessa pandemia

– Servimos de exemplo para várias pessoas, somos pessoas públicas. Temos que seguir o que tem sido passado pelo Ministério da Saúde e tomar todos os cuidados para sairmos dessa.

Honda

– Qualquer atleta que vem com bastante experiência tem a somar. Jogou em grandes clubes, jogou Copa do Mundo, o que é um sonho, isso agrega muito para todos os jogadores.

Aumento no número de gols agora no Botafogo

– No Athletico, eu comecei bem, mas logo tive a lesão no joelho, o que atrapalhou minha sequência. Aqui no Botafogo, eu tive menos jogos, mas tive uma sequência e o ritmo ajuda muito.

Assista à coletiva completa:

Fonte: Globoesporte.com


Clique para Comentar

Copyright © 2019 Rádio Botafogo. Todos os Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: