Redes Sociais

Notícias

Em live com Túlio, André Silva revela ser “pé de coelho” com títulos e diz: “Realizei meu sonho de jogar no Botafogo”

Publicado

em

Lateral-esquerdo da campanha do título brasileiro de 1995 do Botafogo, que será reprisado domingo às 16h na TV Globo, André Silva relembrou a carreira em live com Túlio Maravilha, no Instagram. O ex-camisa 6 revelou ser “pé de coelho” com títulos pelos clubes que passou.

– Comecei no Botafogo em 87, passei por todas as categorias de base, fui criado em Marechal Hermes. Em 95, subi para o profissional, fomos campeões brasileiros juntos. Em 96, fui campeão brasileiro no Grêmio e em 97 da Copa do Brasil. Depois, fui campeão mineiro no Atlético-MG e campeão brasileiro e da Mercosul no Vasco, mas em 93, ganhei a Conmebol também no Botafogo, joguei dois ou três jogos. Eu era o pé de coelho – brincou.

André Silva contou o que representou ter atuado no Botafogo.

– Sou botafoguense desde pequenininho, realizei meu sonho de jogar no Botafogo. Cheguei aprovado em peneira e segui minha carreira no clube – lembrou.

Lateral por acaso em 95

Hoje com 47 anos, André Silva não seria o lateral do Botafogo no Campeonato Brasileiro de 95. Aliás, nem a posição dele era essa.

– Fui titular desde o início do Campeonato Brasileiro. Não era para ser, era o Guto, mas ele se machucou. Eu treinava de meia-esquerda, mas tinha o Sérgio Manoel, pensei em arrumar brecha em outro lugar. Pedi ao Paulo (Autuori) para treinar de lateral na equipe reserva, fui me adaptando, porque era outro setor. Guto se machucou ou não chegou a regularização, Paulo me colocou na estreia contra o Vitória, consegui dar sequência. Você já guardou um, o Jamir fez outro – contou André Silva.

– Joguei 21 jogos. Tinha um problema físico, lesão de púbis, sempre saía. Na final, joguei com infiltração e um monte de injeção, pelo menos, joguei o primeiro tempo. Vi que seríamos campeões quando você, logo no primeiro lance, deu um pique e deu uma entrada no Narciso, forte, mas na bola. Ali, falei: “hoje é nosso, não tem jeito” – declarou.

Túlio Maravilha lembrou o episódio.

– Na final, o Donizete era dúvida, estava machucado, não sabia se ia jogar. Falei para hoje “hoje você vai ser o Túlio e eu vou ser o Donizete”. Por isso, corri o campo inteiro, dei carrinho, tomei cartão amarelo. O importante era ser campeão – completou o artilheiro.

Túlio prometia e cumpria

No Campeonato Brasileiro, Túlio Maravilha foi o artilheiro com 23 gols, além de ser um dos heróis da campanha. André Silva contou que o time confiava totalmente no atacante.

– Nosso sistema defensivo era muito forte, a gente se preocupava em não tomar gol, porque sabia que, lá na frente, uma hora você ia fazer. Artilheiro igual você, hoje em dia, não tem mais. Você falava e fazia – disse André Silva.

– Hoje, o pessoal tem medo de falar, de não fazer e caírem matando. Eu falava, porque confiava em vocês e em mim – finalizou Túlio.

Fonte: Redação FogãoNET e Instagram do Túlio Maravilha / Foto de Capa: Reprodução / Instagram


Clique para Comentar

Copyright © 2019 Rádio Botafogo. Todos os Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: