Redes Sociais

Notícias

Gérson se impressiona com Babi, Autuori e contra-ataques do Botafogo, mas faz ressalva sobre Nazário

Publicado

em

Gérson, o Canhotinha de Ouro, ídolo do Botafogo, analisou a vitória por 1 a 0 sobre o Vasco, nesta quinta-feira, pela Copa do Brasil. O ex-jogador ficou impressionado com Matheus Babi e com Paulo Autuori.

Em relação ao centroavante, Gérson rasgou elogios no canal “Canhotinha 70”.

– Ficou todo mundo olhando, o Babi subiu no quinto andar, os zagueiros estavam no térreo e o cara é bom, Babi é bom jogador, compridão, mas se arruma bem com as pernas. Esses caras grandes têm dificuldade de se locomover, girar, mas ele nada. Parece um cara de 1,70m, normal, se mexe bem, inteligente, toca a bola e dentro da área é uma tragédia para o torcedor e a zaga adversária – avaliou Gérson.

O ídolo alvinegro destacou também o trabalho de Paulo Autuori no Botafogo.

– Vale a pena começar a prestar atenção no Autuori. Ele está colocando sem ninguém perceber o 3-5-2, com Forster como líbero. Aproveita os dois laterais se juntando com os três do meio. Os dois da frente sempre têm a companhia de dois do meio, mais os laterais. Miseravelmente, quando o Botafogo ataca, tem quatro jogadores de frente e mais dois chegando. Isso é uma força danada – elogia.

– A segunda partida que é o problema. O Vasco tem que mandar no jogo, mas se for de qualquer jeito, não empata. Vai abrir o contra-ataque, esse do Botafogo é complicado de segurar com esse esquema sendo implantado. É uma correria que armam e chegam. Contra-ataque geralmente é com dois, o do Botafogo está fazendo com quatro e chegando mais um cara. Que contra-ataque é esse? Está treinado para isso. É o Paulo Autuori, é o dedo do cara – acrescenta.

Ressalva a Bruno Nazário

Apesar de elogiar a qualidade técnica de Bruno Nazário, Gérson questionou a parte física do meia. Nazário pareceu sentir um problema no início do jogo e atuou até o segundo tempo, quando fez o cruzamento do gol de Matheus Babi.

– Não estou entendendo muito bem. Entendo, mas não compreendo. Por que o Nazário todo dia sai sentindo um negócio? Saiu com 26 minutos, em outro jogo com 35, outro com 32… Por quê? Câimbra? Quantos anos ele tem? 42? 79? Para com isso. Eu com 79 nunca tive câimbra. O cara de 22 anos (Nazário tem 25) com câimbra e é um moleque sarado. Sabe jogar, sabe tudo, toque de bola impressionante, o drible, visão de jogo, se mete bem nas laterais. Tem que ficar no jogo, o Botafogo precisa dele. É mais um toque apurado. Vambora, cara, é o Fogão que está aí – cobrou.

Veja o vídeo do canal “Canhotinha 70”:

Fonte: Redação FogãoNET e canal Canhotinha 70 / Foto de Capa: Reprodução / YouTube


Clique para Comentar

Copyright © 2019 Rádio Botafogo. Todos os Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: