Redes Sociais

Notícias

Gerson sobre o tri mundial do Botafogo: “Tem tudo para a Fifa carimbar. Era considerado Copa do Mundo”

Publicado

em

Na última quinta-feira (09), o Botafogo inseriu da linha do tempo em seu site oficial o termo “campeão do mundo” ao lado das conquistas internacionais de 1967, 68 e 70. O clube venceu a chamada Pequena Copa do Mundo (Caracas), na Venezuela. O Alvinegro é o único bicampeão e a única equipe com três títulos da competição. A solicitação foi feita ao presidente Nelson Mufarrej através de Luiz Felipe Carneiro de Miranda, Grande Benemérito, historiador e curador do centro de memória do clube.

– O Botafogo já considerava esses títulos no site na linha do tempo do futebol. Fizemos uma transformação na denominação. Esse torneio foi disputado por vários clubes brasileiros e o objetivo é valorizar cada vez mais, dar conhecimento a torcida dessa grande conquista com esse grande time – afirmou Luiz Felipe, que explicou a relevância da competição no cenário mundial.

– Era chamada de Pequena Copa do Mundo, porque a grande Copa do Mundo foi em 1950, a primeira depois da Guerra Mundial. Em 1952, a Venezuela que havia se filiado na FIFA decidiu criar um torneio que fosse disputado por equipes da América do Sul, Central e Europa. Dali, saía um campeão mundial. Esse torneio foi disputado por vários times brasileiros e o Botafogo foi campeão em 67, 68 e 70. No museu do Barcelona e do Real Madrid tem esse troféu. Eles dão valor no site também. Os clubes brasileiros não disputavam a Libertadores da América, por exemplo. As grandes competições eram os estaduais e esses torneios internacionais – explicou.

Título de 1967

O torneio triangular reuniu Botafogo, Peñarol-URU e Barcelona-ESP. Os espanhóis venceram os uruguaios na estreia por 1 a 0. Na sequência, Botafogo e Peñarol ficaram no empate em 0 a 0. Paulo Cézar Caju teve um gol anulado aos 16 minutos do primeiro tempo. O Glorioso fechou a competição vencendo o Barcelona pelo placar de 3 a 2, gols de Airton Beleza, Gérson e Paulo Cézar Caju.

PEÑAROL 0 x 0 BOTAFOGO

Data: 28 / 01 / 1967
Local: Estádio Olímpico (Caracas)
Árbitro: Angel Ortega

Botafogo: Manga, Joel, Zé Carlos, Leônidas e Chiquinho Pastor; Afonsinho (Nei Conceição) e Gérson; Edinho (Sicupira), Roberto, Aírton Beleza (Rogério) e Paulo Cézar Caju. Técnico: Admildo Chirol

BOTAFOGO 3 x 2 BARCELONA

Data: 31 / 01 / 1967
Local: Estádio Olímpico (Caracas)
Público: 25.000
Árbitro: Rodolfo Isaia

Gols: Aírton Beleza, aos 14’ (1° tempo); Gérson, aos 35’ e Paulo Cézar, aos 40’, Silva (2), aos 41’ e 44’ (pênalti)

Botafogo: Manga, Joel, Zé Carlos, Leônidas e Chiquinho Pastor; Afonsinho e Gérson; Edinho (Rogério), Roberto, Aírton Beleza (Sicupira) e Paulo Cézar Caju. Técnico: Admildo Chirol

Título de 1968

Na edição de 1968, o Botafogo venceu os dois jogos. 1 a 0 em cima da Seleção da Argentina, gol marcado por Jairzinho e 2 a 0 sobre o Benfica, do craque Eusébio, gols de Lula e Roberto.

BOTAFOGO 1 x 0 SELEÇÃO DA ARGENTINA

Data: 24 / 08 / 1968
Local: Estádio Olímpico (Caracas)
Gol: Jairzinho aos 10’ do 1º tempo

Botafogo: Cal, Moreira, Zé Carlos, Leônidas (Dimas) e Valtencir; Carlos Roberto e Gérson; Zequinha (Humberto), Roberto, Jairzinho e Lula (Afonsinho). Técnico: Zagallo

BOTAFOGO 2 x 0 BENFICA

Data: 27 / 08 / 1968
Local: Estádio Olímpico (Caracas)
Gols: Lula aos 3’ do 1º tempo e Roberto aos 5’ do 2º tempo

Botafogo: Cal, Moreira, Paulistinha, Dimas e Valtencir; Afonsinho e Gérson; Zequinha (Humberto), Roberto, Jairzinho e Lula. Técnico: Zagallo

Título de 1970

Botafogo estreou vencendo a União Soviética por 1 a 0, gol marcado por Roberto. Depois venceu o Spartak Trnava-CZE por 2 a 1, de virada, com gols de Paulo Cézar Caju e Humberto, conquistando o título por antecipação. Na última rodada, a União Soviética venceu o Spartak Trnava por 3 a 2.

BOTAFOGO 1 x 0 SELEÇÃO SOVIÉTICA

Data: 03 / 02 / 1968
Local: Estádio Olímpico (Caracas)
Gol: Roberto aos 45’ do 1º tempo

Botafogo: Cal, Moreira, Moisés, Leônidas e Valtencir; Carlos Roberto e Nei Conceição; Zequinha, Roberto, Humberto (Ferreti) e Paulo Cézar Caju. Técnico: Zagallo

BOTAFOGO 2 x 1 SPARTAK TRNAVA

Data: 06 / 02 / 1968
Local: Estádio Olímpico (Caracas)
Gols: Paulo Cézar Caju aos 13’ do 2º tempo; Humberto aos 45 do 2º tempo

Botafogo: Cal, Moreira, Moisés, Leônidas e Botinha; Nei Conceição e Carlos Roberto; Zequinha (Ferreti), Roberto, Humberto e Paulo Cézar Caju. Técnico: Zagallo

O site FogãoNet teve acesso a arquivos do Jornal dos Sports na Biblioteca Nacional e detalhes na RSSSF, pela internet, com o historiador Pedro Varanda. Em 67, a imprensa venezuelana classificou que o Botafogo teve uma “atuação de gala e grande malícia”.

Em 1968, a delegação foi recebida com uma enorme festa dos torcedores.

“No saguão do aeroporto, a torcida alegrou até aos passageiros em trânsito, com refrões ao som do bumbo, no melhor estilo carnavalesco: “Olê, olá, a seleção acaba de chegar”. A frase mais aplaudida foi quando um torcedor aproveitou uma pausa e gritou: – O Botafogo está em terra. Acabou a tranquilidade dos adversários” relatou a reportagem.

Botafogo enfrentou duas potências em 70. A Seleção da União Soviética havia sido eliminada nas semifinais da Eurocopa de 1968 na moedinha e o Spartak Trnava era o então bicampeão tcheco e semifinalista da Liga dos Campeões da Uefa (a famosa Champions League).

“Os 20 mil espectadores que assistiram à partida talvez nunca tenham visto uma luta tão árdua e inteligente entre as duas equipes. As expulsões de Moreira e Adamec correram por conta do calor da disputa. O Botafogo conseguiu reagir com calma, dominar os tchecos, empatar e chegar à vitória sem que os adversários, já totalmente envolvidos, pudessem fazer alguma coisa para impedi-lo. O gol de Paulo Cézar foi antológico“, contou o Jornal dos Sports, reproduzindo a imprensa da Venezuela.

Engajamento do torcedor

Segundo Luiz Felipe Carneio de Miranda, a medida foi tomada pelo clube atendendo inúmeras solicitações feitas pela torcida Alvinegra.

“Muito disso está sendo feito mediante um pleito constante da torcida do Botafogo. A torcida pede esse reconhecimento maior por parte do clube. A maioria das pessoas não sabe os adversários e o nível com os quais jogamos. Verdadeiros timaços e elencos maravilhosos. O Botafogo venceu de forma límpida e com muita categoria. Agora, a torcida fica sabendo para se orgulhar cada vez mais da história magnífica do clube” disse à reportagem da Tupi.

O historiador e curador do centro de memória explicou porque o Glorioso não recebeu o troféu de campeão.

“Esses torneios eram disputados no meio de excursões que o Botafogo fazia viajando pelo mundo inteiro exibindo seu futebol. No meio tinha essa Pequena Copa do Mundo. Por um motivo ou outro, não recebeu os troféus na época. Agora vou mandar fazer a taça, assim como nós fizemos da Conmebol” – ressaltou.

Gérson exalta feito histórico do Botafogo

Para Gérson, o “canhotinha de ouro”, o Botafogo tem que reivindicar os títulos. Capitão das conquistas de 67 e 68, Gérson exaltou o feito, lembrou da recepção da torcida e o troféu que recebeu de melhor em campo contra o Barcelona e da competição em geral. Nesse jogo, inclusive, marcou um gol de bicicleta.

– Tem tudo para a Fifa dar o carimbo dela. Era considerado Copa do Mundo. O Botafogo tem razão. Os jornais da época diziam que era considerada Copa do Mundo, porque disputavam esse torneio vários times, como Barcelona, Santos, Grêmio, Benfica, Real Madrid, Botafogo, seleção argentina. Acho válido. Se tem chance de fazer isso, tudo bem. Eu era o capitão em 67 e 68. É justo correr atrás de um título que, na época, a própria imprensa dava como campeonato mundial. É só pegar os jornais da época. Tem que reivindicar sim o presidente do Botafogo, tem todo o direito – afirmou Gérson.

– O Gérson, nosso “canhotinha de ouro”, fez parte dessa epopeia com o timaço do Botafogo. Em 70, ele já não estava mais no Botafogo. Participou de forma ativa com a categoria que tinha. Vamos valorizar cada vez mais a nossa história – elogiou Luiz Felipe.

O clube pretende, posteriormente, ir à Fifa reivindicar os títulos considerados mundiais na época.

– Direito de petição é direito de petição. Vários clubes peticionaram e nem por isso deixam de considerar. O importante é que nós consideremos a conquista do Botafogo e que possamos homenagear aquele grande time com essas conquistas extraordinárias. O Botafogo era um dos melhores times do mundo na época e está valorizando o que nós ganhamos. – comentou.

Super Rádio Tupi teve acesso a foto da réplica da Taça que será confeccionada pelo Botafogo. Veja!

Assista também a entrevista que a Rádio Botafogo fez com Luiz Felipe com exclusividade!

Fonte: Rádio Tupi e Equipe Rádio Botafogo

Clique para Comentar

Copyright © 2019 Rádio Botafogo. Todos os Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: