Redes Sociais

Notícias

Gláucio Carvalho rasga elogios a atual diretoria do Botafogo: “Cumprindo o que prometeu”

Publicado

em

Técnico chegou ao clube no segundo semestre de 2019 e crê que atual equipe tem condições de garantir acesso à primeira divisão do Campeonato Brasileiro

O Brasileirão Feminino A-2 retornou no dia 20 de outubro, depois de sete meses de paralisação, mas o Botafogo reencontra a competição apenas neste domingo, contra o Goiás, às 15h, em Goiânia. Na primeira rodada do torneio, disputada em março, o Alvinegro empatou com o Real Brasília por 0 a 0 e agora busca a primeira vitória.

No comando das Gloriosas para esta temporada, um campeão nacional: Gláucio Carvalho, que conquistou a série A-1 com o Santos em 2017, vai usar da experiência para tentar realizar o sonho do Botafogo de disputar a elite do futebol nacional. Um dos responsáveis pela reestruturação das Sereias da Vila, o comandante acredita que a vivência no futebol feminino, aliada ao apoio da diretoria, é o diferencial deste ano.

– Meu primeiro time de futebol feminino foi em 1998. Já passei por Botafogo, Vasco, Santos… Eu já estou acostumado a participar das restruturações das equipes. Eu fiz parte da reformulação das Sereias da Vila. Quando o Botafogo me procurou, eu disse que só aceitaria o projeto se a diretoria oferecesse condições. O Botafogo está tentando fazer o melhor dentro do possível. Muitas coisas ainda precisam ser feitas, mas a diretoria vem cumprindo o apoio que prometeu.

As exigências passaram por questões relacionadas à profissionalização e a atual diretoria do Botafogo acatou para contar com o treinador na reestruturação da equipe feminina. O apoio de hoje é quase uma reparação: o Botafogo foi um dos últimos clubes da série A do masculino a preparar uma equipe feminina para disputar o Brasileiro de 2019, às pressas, por causa da obrigatoriedade da CBF. Ao final da competição, apresentou um novo projeto, mas, desta vez, num tom bem mais sério.

– Me convidaram para comandar a equipe e me perguntaram o que seria necessário em termos de alojamento, treinamento, transporte, alimentação e salário. Essa preocupação foi o que me convenceu. Hoje, 70% do elenco tem carteira assinada. As que não tem, sabem que, em breve, terão. O próximo passo é ter todas as jogadoras na CLT. Vamos melhorar o profissional investindo na base, criando, no ano que vem, uma equipe sub-14 e sub-16. O Botafogo, hoje, caminha a passos curtos, mas a passos firmes. Vamos subir? Não sei, mas temos condições.

Durante a paralisação, de acordo com Gláucio, a maior dificuldade foi manter as atletas próximas do conceito do projeto. Com a impossibilidade de treinos presenciais e coletivos, a ideia da comissão técnica foi de introduzir assuntos que cercam o futebol, fora das quatro linhas, mas que influenciam diretamente na evolução das jogadoras.

Além dos treinos por videoconferência, aulas teóricas sobre regulamento, desenvolvimento do glossário novo da CBF e palestras sobre psicologia, nutrição, economia e saúde da mulher também fizeram parte da rotina das atletas durante a quarentena.

De volta aos treinos no Centro de Treinamento de General Severiano, Gláucio contou com reforços para o retorno do Brasileirão. Chaiane Locatelli, campeã da série A-2 do Brasileirão com o São Paulo ano passado e a atacante paraguaia Jéssica Sánchez, uma das revelações do último Sul-Americano sub-20, foram nomes contratados pelo clube. Além delas, o treinador tem a disposição também uma jovem promessa do futebol nacional mas que, aos olhos do técnico, já se comporta como uma realidade.

– A Gabrielly Louvain tem apenas 17 anos, mas é muito madura. É convocada tantas vezes que passa mais tempo com a CBF do que conosco (risos). Ela já deixou de ser promessa, é uma realidade. Faz parte da melhor geração que já vi em toda a minha carreira. Eu vi a Marta no sub-17 do Vasco, a Pretinha, mas a geração 2002/2003 é a melhor em termos técnicos, de maturidade e força. Podem criar expectativas com a próxima seleção brasileira.

O Alvinegro está no Grupo E da competição junto com Goiás, Vila Nova-ES, Atlético-MG, Vasco e Real Brasília. Todas as equipes empataram na primeira rodada, disputada antes do começo da pandemia. Em turno único, os dois primeiros de cada grupo – são seis chaves ao todo – e os quatro melhores terceiros colocados garantem a classificação para a segunda fase.

Fonte: GE / Foto de Capa: Talita Giudice


Clique para Comentar

Copyright © 2019 Rádio Botafogo. Todos os Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: