Redes Sociais

Colunas

Mudança da água para o vinho

Publicado

em

O autor de um pisão na cabeça de Alexandre Pato, em 2014, é o mesmo que aplicou um chapéu em Willian Arão, em 2016. As pancadas deram lugar à técnica, e Airton se transformou em um dos principais nomes do Botafogo na surpreendente campanha na temporada, que pode ser coroada com uma vaga na próxima Taça Libertadores. O tímido volante de 26 anos, hoje valorizado e cobiçado no mercado, concedeu uma rara entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira, após o treino em General Severiano. Em suas palavras, acha que já conseguiu deixar a fama de “jogador violento” para trás, menos para alguns árbitros. A eles, fez um apelo.

– O Cacá Azeredo (vice-presidente de futebol) e o Jair (Ventura) brigaram por uma renovação minha. O professor Ricardo (Gomes) na pré-temporada chegou a conversar comigo, falou que eu tinha qualidade, não precisava recorrer às vezes a certos tipo de lance. Tinha hora ali que eu perdia a cabeça, eu pude colocar ela no lugar e hoje estar fazendo um bom campeonato. Acho que sim (apagou a sua imagem de violento), mas tem alguns árbitros ainda que me perseguem. Tem jogos que sou o jogador que sofre mais faltas do time, aí eu faço uma falta que não é violenta, falta simples, e o árbitro já vem com amarelo. Acho que essa minha imagem já ficou para trás, espero que os árbitros me olhem com outros olhos – pediu.

E Airton tem fundamentos para defender sua tese: se nas temporadas passadas ele era muito faltoso, no atual Campeonato Brasileiro por exemplo ele tem apenas 34 infrações em 17 partidas, média de duas por rodada. E é o segundo do time que mais sofreu faltas, atrás apenas de Neilton, e o 14º mais “perseguido” da competição, com 55 infrações recebidas. Em compensação, o número de cartões segue alto: são 14 amarelos ao todo em 2016, ficando atrás no elenco só de Bruno Silva, com 23 punições.

Há três anos no Botafogo, Airton ainda não conseguiu desencantar pelo clube, mas ele se mostra tranquilo quanto ao jejum e sabe que seu papel, e especialidade, é marcar. O volante, que considera Conca como o jogador mais difícil que já marcou, projeta o duelo com Diego, camisa 10 do Flamengo, neste sábado no Maracanã, mas veta qualquer tipo de marcação especial.

– Foi o Conca (mais difícil de marcar) porque é um jogador de muita habilidade, movimenta muito. Para a gente, que é volante, é muito difícil marcar jogadores de criatividade, às vezes complica um pouco. (…) Não só o Diego, mas todo o time do Flamengo tem bastante qualidade, a gente não vai fazer marcação diferente do que já vem fazendo.

Airton tem mais um ano de contrato com o Botafogo, mas vem recebendo diversas sondagens neste fim de temporada. Um dos clubes interessados em contratar o volante é o São Paulo, dirigido pelo Ricardo Gomes, ex-técnico do jogador em General Severiano. Com multa rescisória de R$ 40 milhões, o Alvinegro se mostra tranquilo, e o atleta também.

– Estou tranquilo. Fico feliz de receber algumas sondagens, mas estou focado. Tenho contrato até o fim de 2017 e espero cumprir esse contrato – afirmou.

Fonte: globoesporte.com.br/botafogo


Clique para Comentar

Copyright © 2019 Rádio Botafogo. Todos os Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: