Redes Sociais

Notícias

Na Bulgária, Renan admite desejo de encerrar a carreira no Botafogo: “Tenho essa vontade”

Publicado

em

Formado no Botafogo, o goleiro Renan, deixou o Fogão em 2015 após oito temporadas no Alvinegro. Desde então, já defendeu o Avaí (2016) e Ludogorets Razgrad, da Bulgária, onde está há quatro anos. Nem por isso o goleiro esquece o carinho do clube que o projetou, em 2008.

Renan admitiu o desejo de encerrar a carreira no Botafogo.

— Tenho essa vontade. Foi onde começou desde 2006, lá em Marechal Hermes. Por que não? Se o clube vir com bons olhos, estarei aqui com imenso prazer de retornar e fechar esse livro bem, com chave de ouro – disse o goleiro, hoje com 30 anos.

Durante a passagem pelo Botafogo, Renan teve a concorrência de ninguém menos que Jefferson, que voltou ao clube em 2009.

— Lembro que quando ele chegou, eu estava no departamento médico e o preparador chegou para mim: “rapaz, o cara é bom, hein? É um avião. Tem que ver ele treinando, a explosão dele, a força que ele tem”. Aí passaram alguns meses, passei a treinar com ele e admiti: “O cara é um avião mesmo!” – lembra.

Veja os principais trechos da entrevista:

Autuori

— Ele tinha proposta para vir para o Ludogorets e me ligou. Eu falei: “vem agora”. Fiquei impressionado com a maneira que ele trata as pessoas, da moça da limpeza até o diretor. É muito correto, sincero, humilde, honesto. Na nossa pré-temporada, ele mostrou por que é campeão. Trabalhos bons, com lógica. Eu mesmo falei pra ele que éramos um time muito ofensivo, que gosta de sair com a bola de trás, só que nosso sistema defensivo é desorganizado. Ele considerou a opinião e deu atenção à defesa. Ele organizou nosso sistema defensivo. Ele saiu daqui muito respeitado, deixou o time na liderança.

Vagner Mancini

— Não foi legal para mim. Tive que entender e aceitar da melhor forma possível. Eu falei até pra ele: “‘te respeito, mas eu estou vendo com a diretoria em relação ao meu futuro, porque eu preciso seguir a minha carreira”. Acabou que as coisas não aconteceram, tinham duas equipes, se não me engano Paraná e Náutico e não aconteceu. Isso era meio do ano e depois de eu ter dito aquilo para ele, acabou que não contou mais comigo. Fiquei seis meses só treinando. Foi bem difícil, mas serviu como aprendizado.

Dispensas em 2014

— Foi um baque. Todo mundo vendo as coisas erradas acontecendo e sobrou para eles. O Jefferson conseguiu se manter. Foi bem complicado. O time sentiu. Não sei se era o momento para fazer aquilo.

Pênalti contra o Fluminense

— Eu estava muito concentrado. Peguei duas cobranças, pensei que ia dar bom. Depois, os caras começaram a acertar tudo. Eu já tinha perdido a contagem. Só pensava: “‘o próximo eu vou pegar” e não aconteceu. Aí, o último bateu, olhei para o meio-campo e não vinha ninguém. Pensei “quem vai vir agora?”. Foi quando me toquei que tinha acabado e o Cavalieri seria o próximo. Ele pegou, bateu e jogou lá na linha do trem. Já deu uma certa tranquilidade. Eu só lembro que pensei: “Ele já perdeu mesmo. Vou pôr a bola aqui calmamente. Estou sem pressa.” Já tinha na minha cabeça que ia bater cruzado.

Manoel Renha

— Respeitado por todos. Desde quando assinei o meu primeiro contrato, que foi com ele. Tinha cláusulas, por exemplo: teu salário vai aumentar um pouco se você tiver 10 jogos relacionados. Ele falou pra mim: “vou ser sincero para você. Como goleiro, pode ser que seja difícil isso acontecer”. Acabou que o Castillo machucava direto ou era convocado e aconteceu. E aí, a partir daí, a gente vai respeitando. As atitudes condizem com o que ele fala.

Fonte: Fogo na Rede


Clique para Comentar

Copyright © 2019 Rádio Botafogo. Todos os Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: