Redes Sociais

Notícias

Walmer Machado entra com pedido de impugnação de Durcésio Mello

Publicado

em

Advogado pede impugnação do adversário, que tem participação em outro clube carioca. Dívidas pessoais e contraídas por uma S/A gerida pelo empresário também são questionadas

O candidato a presidente do Botafogo Walmer Machado, da Chapa Verde (“O Mais Tradicional”), entrou nesta sexta-feira com pedido de impugnação contra um dos adversários na corrida, Durcésio Mello. Na petição, Walmer cita a ligação de Durcésio com o Resende e revela dívidas para contestar a capacidade de gestão do rival.

O pedido foi encaminhado nesta tarde à Junta Eleitoral do Botafogo. Com a petição, a que o GE teve acesso, a chapa anexou dezenas de páginas de documentos com a intenção de atestar a situação financeira ruim do adversário da chapa preta e branca. Além de apontar os laços com o Resende Futebol Clube, rival do Botafogo no Campeonato Carioca e, possivelmente, em outras competições nacionais.

O Resende tem como um dos gestores Pedro Mello, filho de Durcésio. Recentemente, o candidato apareceu com destaque em alguns eventos importantes do clube do Sul Fluminense, como na assinatura da parceria com o Lyon, da França, em 2019.

Segundo Walmer, Durcésio deve ser impedido de se candidatar por conta desse conflito de interesses. “O que se pretende evitar é a transformação do Botafogo de Futebol e Regatas como vitrine de jogadores do Resende”, diz em parte do documento.

Outro protesto da Chapa Verde é sobre a capacidade de gestão do adversário. Walmer apresentou documentos de dívidas de Durcésio e da LRF Empreendimentos e Participações S/A, que é gerida pelo empresário. No âmbito pessoal, o crédito chega a R$ 112 mil.

Foto: Reprodução

Já a S/A apresenta um passivo de mais de R$ 2 milhões, além de dezenas de processos na Justiça do Trabalho. Foram anexados, também, 103 protestos de títulos não pagos – como cheques, por exemplo. Apenas uma das cobranças chega a mais de R$ 186 mil.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Outro lado

Procurado pelo GE, Durcésio Mello respondeu às acusações do rival. O empresário negou ligação com o Resende e disse que somente o filho é sócio do clube, fato que não é proibido pelo estatuto do Botafogo.

– Não tem nada no estatuto do clube que proíba. Meu filho é sócio, mas eu não sou, não tenho participação, nada. O que é proibido no Botafogo é colocar (na inscrição de chapa) sócio morto, inadimplente… Isso, o estatuto proíbe – disse.

Sobre a LRF Empreendimentos, o candidato revelou que detém apenas uma parte pequena da empresa.

– Para se ter uma ideia, eu tenho apenas 6% dessa empresa, mas de fato, tenho títulos protestados, tenho isso tudo. Não quer dizer que sou trambiqueiro, que estou falido. Todo empresário está sujeito a passar por isso. O estatuto não fala que o presidente não pode passar por isso – completou.

Guerra judicial

A eleição do Botafogo está marcada para 24 de novembro, mas algumas definições ainda terão de ocorrer em menos de um mês. Isso porque o pedido de impugnação feito por Walmer Machado não foi o primeiro dessa corrida. Antes, Durcésio Mello e Alessandro Leite (o terceiro concorrente) fizeram o caminho contrário e pediram a inelegibilidade do adversário.

Motivo: possíveis irregularidades nos 140 nomes apresentados na Chapa Verde. O pedido afirma que há 6 sócios mortos e outros 40 em situação irregular. A defesa tem alguns dias para se manifestar e a decisão sai nas próximas semanas.

Fonte: GE / Foto de Capa: Reprodução – Site Oficial


Clique para Comentar

Copyright © 2019 Rádio Botafogo. Todos os Direitos Reservados.

%d blogueiros gostam disto: